Acompanhe o Zoom nas redes sociais:

  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon
  • zoom-urbanismo-arquitetura-design

propostas / assuntos gerais

 

  

currículos / portfólios

zoom@zoom.arq.br

equipe@zoom.arq.br

cv@zoom.arq.br

+ 55 (11) 3263 0267

Rua Peixoto Gomide 996, Cj-720

São Paulo SP Brasil

CONCURSO DE MORADIA ESTUDANTIL UNIFESP - CAMPUS OSASCO

unifesp
moradia estudantil

FICHA TÉCNICA

Local: Brasil, Osasco
Status: concurso
Data do concurso: janeiro de 2015
Parceiros: H2C arquitetura
Equipe Zoom: Guilherme Ortenblad, Kathleen Chiang, Mariane Christovam, Ana Carolina de Lima, Alex Ninomia, Tiago Martinelli Lourenzi, Luana Pedrosa, Tadeu Omae.

APRENDER E MORAR: A CIDADE COMO PLATAFORMA INTERATIVA

Um estudante universitário é alguém imergindo em um mundo teórico de possibilidades. Ao longo de seu curso, ele vai percorrer caminhos para conhecer melhor os problemas do mundo e suas potenciais soluções. Como conceber um projeto de moradia estudantil que sirva como lastro cotidiano a esse exercício teórico e tão importante de compreender e resolver os problemas do mundo? É com esse desafio em mente que apresentamos o projeto Aprender e Morar – A Cidade Como Plataforma Educativa.

A clareza do desafio foi um importante ponto de partida para a concepção de nosso projeto. Não se trata simplesmente de construir edifícios, mas de costurar um tecido urbano que crie uma plataforma educativa para conectar os estudantes universitários aos problemas e potenciais reais de sua cidade. É dessa troca com a cidade que acreditamos que irá surgir uma experiência mais interessante e produtiva de moradia e aprendizagem durante o período acadêmico.

O projeto é estruturado por um eixo-parque central que liga as duas cotas da gleba e costura o caminho a pé desde a Avenida Parque até o topo do terreno com rampas de acessibilidade universal. Para vencer a inclinação com fruição a subida é amenizada por praças em platôs com áreas de estar. Esse eixo é cortado por alamedas que separam os blocos, criando uma rede de caminhos e interações possíveis para o pedestre. No topo do terreno, a recompensa pelo esforço da subida é uma linda vista para o pôr do sol e acesso à biblioteca: uma combinação entre contemplação, convivência e aprendizagem.

Os conjuntos respeitam rigorosamente a escala humana – a escala pensada para ser vista, ocupada e percorrida por pessoas – e possuem ligações com escadas e alamedas para ativar o fluxo diverso de pessoas. Diverso e inclusivo: um projeto de moradia estudantil precisa ser um convite aos moradores do entorno, uma membrana permeável que conecte a cidade à academia. Essa conexão acontece com equipamentos como uma quadra poliesportiva, cinema,academia, cozinha coletiva e sala multiuso, que devem ativar essa circulação diversa de pessoas.

Nesse sentido, o fato de o terreno já ser utilizado pela população do entorno como área de lazer e recreação é uma vantagem. Queremos reforçar esse sentimento de pertencimento com uma escala de apropriação por quem percorrera região. Em última instância queremos, com o projeto Aprender e Morar – A Cidade como Plataforma Educativa, criar uma ligação entre os estudantes e moradores do entorno, ou seja, entre a universidade e a cidade.