Acompanhe o Zoom nas redes sociais:

  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon
  • zoom-urbanismo-arquitetura-design

propostas / assuntos gerais

 

  

currículos / portfólios

zoom@zoom.arq.br

equipe@zoom.arq.br

cv@zoom.arq.br

+ 55 (11) 3263 0267

Rua Peixoto Gomide 996, Cj-720

São Paulo SP Brasil

parque jardim felicidade

FICHA TÉCNICA

Local: Brasil, São Paulo, Pirituba
Status: projeto concluído
Início do projeto: dezembro 2011
Área de Projeto:15.000 m²
Equipe: Fernão Morato, Guilherme Ortenblad, Augusto Aneas (autores), Samira Rodrigues, Fabiano Reis, Kathleen Chiang e Lígia Lupo
Paisagismo: Raul Pereira
Engenharia: Paulo Roberto Amaral Souza
Gestão DEPAVE: Patricia Guena, Ramiro Levy, Diogo Machado Lima, Waldir Ushima, Francisco Luiz Torii

O PROJETO

O Parque Jardim Felicidade situa-se no bairro de Pirituba, São Paulo, numa área urbana com densidade demográfica média e uso misto moderado. Implantado em um terreno de formato irregular, é cortado por uma rua de pedestres que o divide em duas partes: norte e sul.

Ao sul do Parque se localiza o playground, que apesar de ter menor área, é um equipamento consolidado e bastante frequentado. A parte norte do Parque, objeto dessa intervenção, tem o terreno dividido basicamente em duas partes: uma grande área relativamente plana onde está implantado o centro administrativo, as quadras poliesportivas e a bocha, e uma segunda grande área com declive acentuado que desemboca em uma área alagadiça onde foi criado um lago. Este lago foi criado para aproveitar a drenagem natural do terreno, muito úmido e que contém minas d’água em sua superfície, sendo importante para a drenagem do entorno. Porém, seus atributos estéticos e paisagísticos nunca foram valorizados: encontra-se desconexo em relação ao restante do parque, impedido visualmente por barreiras vegetais e seu difícil acesso desvaloriza ainda mais o seu enorme potencial.

A Revitalização do Jardim Felicidade objetiva requalificar o parque tomando o lago como instrumento protagonista da revitalização, investindo no seu potencial estético e lúdico, tirando-o da sua condição residual e transformando-o em protagonista da paisagem.

Vista do lago

A inspiração do projeto vem do estudo etimológico de seu nome “Jardim Felicidade”, com o objetivo de fortalecer a sua identidade na vizinhança, na cidade e no imaginário coletivo. Pretende-se resgatar a origem do Jardim como equipamento lúdico, sensorial, complementar a arquitetura e ao urbanismo e abordar o conceito de Felicidade, principalmente no que se refere a uma possível “felicidade urbana”.

O projeto parte da conexão dos dois principais acessos do parque, o primeiro acesso localizado na cota alta do terreno e o segundo acesso localizado na cota mais baixa. O objetivo é induzir que a frequência assídua da cota superior se dilua e seja conduzida para acota inferior onde hoje se localiza o lago. Tal conexão é promovida através de um sistema de passeios e rampas integrados que conecta esses dois acessos e garante a acessibilidade universal, contribuindo para a articulação do parque como um todo. Esse novo sistema de acessibilidade se transforma em um atalho urbano, um novo eixo de fluxos de passagem, projetado e dimensionado para permitir o percurso dos ciclistas, pedestres e portadores de necessidades especiais.

A partir dessa nova circulação são geradas variadas vistas e estímulos do parque; sendo ocasionalmente interrompida por momentos de descanso e contemplação, como o mirante localizado na cota mais alta, o centro educacional implantado na cota intermediária e os diferentes patamares-estares implantados ao longo das rampas.

Ilustração do mirante, sistema de rampas e passeios

Cada um desses espaços é tratado com uma identidade paisagística própria que induz a um tipo de estímulo correspondente e representam uma estratégia para seduzir o transeunte da vida urbana agitada convidando-o para a contemplação e apropriação da nova paisagem reconfigurada e agora protagonizada pela revalorização do lago. O Centro Educacional Ambiental, cujo objetivo é conscientizar o usuário das questões ambientais globais, foi implantado para permitir uma visão privilegiadado parque. A arquitetura se configura de forma dinâmica através de suas portas retráteis, permitindo que, de acordo com a sua necessidade, suas atividades sejam abertas ou fechadas.

Ilustração do Centro de Educação Ambiental

A Revitalização do Jardim Felicidade se fundamenta numa experiência lúdica única e integrada para crianças, jovens e adultos. Um equipamento artístico urbano que permite a interação, a contemplação e a introversão dos usuários promovendo a experiência criativa humana.

Perspectiva aérea do parque