Acompanhe o Zoom nas redes sociais:

  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon
  • zoom-urbanismo-arquitetura-design

propostas / assuntos gerais

 

  

currículos / portfólios

zoom@zoom.arq.br

equipe@zoom.arq.br

cv@zoom.arq.br

+ 55 (11) 3263 0267

Rua Peixoto Gomide 996, Cj-720

São Paulo SP Brasil

XIX BIENAL PANAMERICANA DE ARQUITECTURA DE QUITO 2014

PROJETO PREMIADO EM SEGUNDO LUGAR NA CATEGORIA DESENHO URBANO E ARQUITETURA DA PAISAGEM

bienal de quito

FICHA TÉCNICA
Local: Quito, Equador
Data do concurso: outubro 2014
Parceiros: Projeto inscrito em parceria entre Zoom, H2C, Superlimão, Contain [it], Instituto Mobilidade Verde e Design Ok
Equipe Zoom: Guilherme Ortenblad, Kathleen Chiang, Mariane Christovam, Ana Carolina de Lima, Alex Ninomia, Luana Pedrosa, Tadeu Omae.

O Zoom, em parceria com H2C, Superlimão, Contain [it], Instituto Mobilidade Verde e Design Ok, participou da XIX Bienal Panamericana de Arquitectura de Quito de 2014, com o projeto PARKLETS SP, na categoria de desenho urbano e arquitetura de paisagem, sendo premiado em segundo nessa categoria. O projeto inscrito buscou demonstrar o processo da implementação dos parklets na cidade de São Paulo, desde sua primeira iniciativa até a regulamentação.

CONTEXTO GERAL

Conhecida por seu emaranhado de conexões e grande diversidade cultural, São Paulo é uma das metrópoles mais populosas do mundo, formada por uma grande extensão territorial e intenso fluxo de pessoas. Devido a sua história marcada por políticas rodoviaristas, o carro, como meio de transporte individual, alcançou popularidade e status de meio de deslocamento confortável e eficiente dentro da lógica em que se desenvolvia metrópole. Dessa forma, o carro ganhou mais espaço nas ruas – para circular e estacionar – em detrimento do pedestre, que tem seu espaço reduzido e pouco convidativo: em muitos casos, as calçadas são estreitas e não possuem um desenho de qualidade,não são ideais para o caminhar contemplativo, sendo utilizada somente para passagem.Esse descaso com os pedestres se reflete também nos mobiliários urbanos, principalmente nos bancos, que muitas vezes não são confortáveis para permanecer/estar e,de certa forma, negam a interação social e pontos de descanso ou contemplação.