Acompanhe o Zoom nas redes sociais:

  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon
  • zoom-urbanismo-arquitetura-design

propostas / assuntos gerais

 

  

currículos / portfólios

zoom@zoom.arq.br

equipe@zoom.arq.br

cv@zoom.arq.br

+ 55 (11) 3263 0267

Rua Peixoto Gomide 996, Cj-720

São Paulo SP Brasil

urbanismo
caminhável

FICHA TÉCNICA

Local:  Brasil, Jundiaí
Data do projeto: maio 2015 - novembro 2015
Equipe: Zoom, Thaísa Froes, Instituto Mobilidade Verde e Contain[it]

Realização: Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente  da Prefeitura de Jundiaí

Site:  www.urbanismocaminhavel.com.br

A PROPOSTA

O coletivo Urbanismo Caminhável difunde uma nova maneira de planejar as cidades, baseada em conceitos pioneiros que buscam tornar a vida urbana mais humana e sustentável. nosso principal objetivo é disseminar a importância de repensar as cidades sob uma perspectiva que valoriza a caminhada, o transporte alternativo, os transportes públicos, a mobilidade sustentável e o encurtamento das viagens através da criação de novas centralidades econômicas.

O objetivo da proposta é apresentar as formas e meios para se criar uma nova cultura urbana nas cidades, tornando-as expoentes do “urbanismo caminhável” no Brasil.

METODOLOGIAS

Walkable Urbanism

Urbanismo caminhável, em tradução livre, é um tipo de urbanismo que valoriza a curta distância entre moradia, trabalho, educação, saúde e lazer. É caracterizado por alta densidade e mix de diversos tipos de imóveis ligados por áreas de lazer e conectadas com múltiplos sistemas de transportes coletivo e não motorizado. Nesse novo modelo, o desenvolvimento urbano se volta para o desenvolvimento social e para geração de riqueza nos subúrbios da cidade, aproximando o trabalho, educação, saúde e lazer de forma distrital.

É um conceito criado para avaliar a qualidade do espaço urbano através do ponto de vista do pedestre, levando em consideração pontos como a conectividade dos espaços e o conforto. É um indicador complexo que envolve aspectos de medição de acessibilidade pedonal com aspectos do ambiente construído.

 

Walkability

É um conceito criado para avaliar a qualidade do espaço urbano através do ponto de vista do pedestre, levando em consideração pontos como a conectividade dos espaços e o conforto. É um indicador complexo que envolve aspectos de medição de acessibilidade pedonal com aspectos do ambiente construído.

Placemaking

Placemaking, como o nome sugere, é a criação de ‘lugares’. Trata-se de uma abordagem para o planejamento, concepção e gestão de espaços públicos, onde, busca-se a transformação de um espaço qualquer em um “lugar” reconhecido e apropriado pela comunidade.

Os conceitos por trás do placemaking começaram na década de 1960 , quando escritores como jane jacobs e william h. whyte ofereciam idéias inovadoras sobre o projeto de cidades para atender as pessoas. Esse trabalho centrou-se na importância dos bairros mais vivos e espaços públicos mais convidativos, enfatizando os elementos essenciais para a criação de vida social.

Prototyping

Trata-se da prototipagem de mobiliários experimentais, equipamentos e objetos para as áreas de intervenção dos projetos piloto. A execução destes elementos ocorre em oficinas gratuitas com a população local.

O projeto Urbanismo Caminhável foi desenvolvido no centro da cidade de Jundiaí, interior paulista, com apoio da Prefeitura de Jundiaí. O foco principal era tornar o centro de Jundiaí mais caminhável e sensibilizar as pessoas para o tema da caminhabilidade e do espaço público.

Primeiramente, instalou-se um contêiner na praça da Igreja Matriz da cidade, que serviria como base e ponto de encontro para as atividades que seriam decorrentes do projeto. Ao longo de alguns meses, foram desenvolvidas diversas oficinas participativas, abrangendo diversos públicos. As oficinas foram uma forma de divulgar o projeto e também de trazer a população para participar de seu processo. Como as oficinas acontecem dentro do próprio perímetro de projeto, elas permitem a interação dos profissionais envolvidos e da população com o lugar que se pretende estudar. Promovem a troca de conhecimento entre as equipes envolvidas no projeto e a população. As oficinas eram temáticas e tinham seus focos divididos em três grandes grupos principais: oficinas de sensibilização, oficinas de caminhabilidade e oficinas de execução.

As oficinas de sensibilização foram importantes para divulgar o projeto, estimular a participação da população, despertar um novo olhar para a cidade e sensibilizá-las para o debate sobre o tema da caminhabilidade e da apropriação dos espaços públicos. São meios diferentes para ouvir as pessoas que se relacionam com o lugar que estamos estudando.

As oficinas de caminhabilidade foram realizadas, separadamente, pelos cidadãos participantes e por técnicos de mobilidade. Percorrendo três percursos determinados, os participantes apontavam as sensações sentidas durante o trajeto, pontos positivos e pontos negativos. Os técnicos realizavam o mesmo percurso, mas avaliando com olhar técnico, fazendo medições de conforto ambiental e apontando pontos positivos e negativos. Através de oficinas desse tipo e outras análises urbanísticas, chegava-se a um índice de caminhabilidade, que avaliava o quão caminhável o trajeto era. A partir disso, eram definidos potencialidades que poderiam ser trabalhadas e desafios a ser solucionados para os percursos e eram feitas propostas que poderiam ser de curto, médio ou longo prazo para a melhoria do índice.

As oficinas de execução foram realizadas em duas partes: uma primeira parte de estudo de espaço público e outra de execução de fato. Na primeira parte, os participantes eram convidados a observar o local de intervenção e suas dinâmicas, como as pessoas se comportam no local, quais eram os principais desafios e potencialidades tendo em vista a segunda parte, que seria de execução. Nessa segunda parte, o contêiner funcionava como uma oficina aberta, na qual o público, sob orientação adequada, desenvolvia mobiliários de madeira de acordo com a demanda apontada na etapa anterior de estudo.

Além das oficinas, foi desenvolvida a regulamentação dos parklets em Jundiaí, que vem a somar como infraestrutura para pedestres e ciclistas. O decreto e manual de parklets, também desenvolvidos no âmbito do projeto Urbanismo Caminhável, estão previstos para serem lançados em novembro de 2015.

Também faz parte do projeto desenvolver um manual de intervenções urbanas, compilando várias situações e intervenções urbanas, que podem ser utilizadas pelo município, ou até mesmo pelos munícipes, em diferentes prazos de tempo.

Uma vez finalizada a etapa do Urbanismo Caminhável no centro de Jundiaí, o próximo passo seria o projeto se tornar itinerante e percorrer outros bairros da cidade, repetindo todo o processo, de maneira mais sucinta, em cada bairro escolhido, difundindo o processo e atingindo o município como um todo.